domingo, 23 de maio de 2010

Figuras históricas de Cruz Alta




A grande maioria das escolas do município de Cruz Alta, região noroeste do Rio Grande do Sul, leva o nome de algum personagem histórico da cidade, porém os cruz-altenses muitas vezes desconhecem quem foram estes personagens e qual foi a importância deles para a cidade.


Um exemplo disso é a professora Margarida Pardelhas, cuja importância para o desenvolvimento da educação em Cruz Alta foi fundamental. A Escola Margarida Pardelhas, que leva o nome desta ilustre mestra, nem sempre se chamou assim. Margarida Pardelhas nasceu em 4 de maio de 1886 na cidade de Porto Alegre. Era filha de José Pardelhas e Simpliciana Pardelhas. Veio para Cruz Alta em 1904 como professora do Colégio Distrital onde trabalhou até ser nomeada diretora do colégio, que recebeu o nome de Colégio Elementar Venâncio Aires. Foi diretora deste estabelecimento de ensino durante 19 anos. Como diretora permaneceu até 1933 ao ser transferida para Porto Alegre, sua terra natal, onde fundou a atual Escola Normal 1º de Maio. A seguir foi para Pelotas como diretora da Escola Normal Assis Brasil e lá permaneceu por quatro anos. Em Cruz Alta lecionou 25 anos, onde completou seu jubileu. Quando foram criadas as delegacias de ensino em 1939, foi convidada para escolher a sede que lhe caberia como dirigente de uma delas. Escolheu a 9ª Delegacia Regional de Ensino em Cruz Alta. A mestra e professora Margarida Pardelhas, no alto desempenho de sua função como delegada, à frente da 9ª Região Escolar, que organizou como titular o cargo uma notável administração, veio a falecer em 7 de julho de 1942. Era solteira e deixou os familiares tristes, porém orgulhosos de suas ações. O Colégio Elementar Venâncio Aires, da qual fora fundadora, após sua morte, prestou sua mais sincera homenagem perpetuando para sempre seu nome. Foi assim que o Colégio Elementar de Cruz Alta, pelo decreto nº 741 de 27/03/1943, passou a denominar-se Grupo Escolar Margarida Pardelhas, em homenagem àquela ilustre mestra que tanto esforço dispendia para elevar cada vez mais o ensino.


Outro personagem que deu nome a uma escola da cidade é o professor Heitor Annes Dias. Filho de Lúcio Annes Dias e de Balbina Lopes Dias, nasceu em Cruz Alta, em 19 de julho de 1884. Fez seus estudos de Humanidades no Ginásio Conceição de São Leopoldo. Ingressou aos 14 anos na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, integrando a 2ª turma de alunos por ela diplomados em 1905. Formou-se também em Farmacologia. Aos 21 anos casou-se com Carolina de Revoredo e fixou residência em Cruz Alta. O casal teve dois filhos: Carmem e Cássio Annes Dias. Em 1908, com 23 anos após brilhante concurso, foi nomeado professor de Medicina Legal e Toxicologia, iniciando a sua bem sucedida carreira de professor em Porto Alegre. A seguir foi indicado para a cadeira de Medicina Legal na faculdade de Direito. Durante nove anos lecionou esta disciplina. Em 1917 viajou para a Europa, onde ocorreu a transformação do bom professor de Medicina Legal no grande mestre de Clínica Médica. Ao retornar, em 1918, após proveitoso estágio nos hospitais de Paris, onde esteve a serviço do maior mestre da medicina francesa contemporânea, Widal, foi indicado provisoriamente para a Cátedra (cargo ou função de professor de disciplina de nível universitário, ocupado por professor titular) da 3ª Clínica Médica. Começa aí uma nova etapa para a medicina gaúcha. De 1919 a 1934, quando eleito deputado à Constituinte, embarcou para o Rio de Janeiro, exerceu a Clínica, lecionou e escreveu seus primeiros livros. Em 1934, a Medicina venceu a política e o professor foi transferido para a Universidade do Brasil, na capital federal. Lá seu talento pôde atingir a plenitude do amadurecimento e a sua obra tornou-se mais plena. Annes Dias foi, acima de tudo, um professor e um investigador. Ensinava com competência e sabedoria. Poucos cruz-altenses sabem, mas Annes Dias foi o primeiro médico brasileiro que mostrou as vantagens e os benefícios que o laboratório traz, como coadjuvante da medicina e da cirurgia e o criador de um capítulo novo da medicina mundial: a metereologia clínica.

2 comentários:

Greice Pozzatto e Henrique Dornelles disse...

Tens razão, Felipe! Concordo em gênero e grau. Não só desconhecem o nome das escolas quanto o das ruas de nossa cidade.

Renato Silva Machado disse...

Grande Felipe. Graças ao teu blog, enfim, consegui me informar sobre a professora Margarida Pardelhas. Minha curiosidade veio após ler num dos livros de Érico Veríssimo que ela foi sua professora no ensino fundamental - com certeza tendo influência na sua obra.
Bem, parabéns pelo teu trabalho. Estudei no Belarmino Côrtes, quem foi esse cara mesmo? E o Pacífico Dias da Fonseca? Valeu.